O antipetismo como herança do anticomunismo

Thiago Moreira da Silva¹ e Rodrigo Lentz²

Os objetos da política nem sempre se revestem de conteúdos programáticos, baseados em ações informadas dos cidadãos. Muitas vezes, os fenômenos que tocam esse universo são pautados por elementos simbólicos, presentes no imaginário social, que ajudam a moldar formas de pensamento e são reproduzidos por várias gerações. O exercício de poder, em verdade, não sobreviveria sem a criação de imagens que traduzem os valores presentes nas disputas cotidianas. A esse conjunto de anseios, atitudes, linguagens e crenças permanentes, fundamentais para conferir coesão e identidade a grupos sociais distintos, damos o nome de cultura política.

No Brasil, um exemplo marcante de cultura política é o anticomunismo. Como ressalta o historiador Rodrigo Patto Sá Motta no livro “Em guarda contra o ‘perigo vermelho’: o anticomunismo no Brasil (1919-1964)” (2002, Perspectiva/Fapesp), essa manifestação surge no país logo após a Revolução Russa de 1917 e tem sua primeira grande onda após a Intentona Comunista (1935), depois que Luiz Carlos Prestes declarou sua adesão ao pensamento marxista. À época, em resposta ao fato, houve aumento considerável de publicações com caráter anticomunista. Perdurando nos anos seguintes, a manifestação alcançou sua segunda grande onda a partir de 1961, durante a campanha da legalidade, e resultando no golpe civil-militar de 1964.

Passados mais de 50 anos dos acontecimentos de então, e mesmo após a queda do Muro de Berlim e o fim da Guerra Fria, esse imaginário volta à pauta do dia, associado a uma manifestação relativamente nova no contexto político nacional: o antipetismo. Não raro, portanto, o partido do ex-presidente Lula aparece sobreposto ao ideário em questão. A despeito, claro, da atuação moderada da legenda em temas econômicos — quase sempre colocando liberais na condução das políticas do Banco Central e do Ministério da Fazenda — e sociais. Exemplos disso são os discursos parlamentares que favoreciam o impeachment de Dilma Rousseff pautados por uma possível ameaça comunista, slogans como “a nossa bandeira jamais será vermelha” e um suposto plano de integração de países sul-americanos com regimes à esquerda, a Ursal, realizado pelo Foro de São Paulo.

Neste artigo analisamos a relação entre os “antis”, já apontada em 2016 por Motta, de maneira empírica, com base nos dados do Barômetro das Américas (LAPOP) de 2017, organizado pela Universidade de Vanderbilt.* No banco, temos perguntas referentes ao “desgosto” dos respondentes com petistas e comunistas. A figura 1 expõe essas tendências:

Como notamos, cerca de 50% dos entrevistados afirmam um “desgostar” de petistas, ao passo que 57% rejeitam os comunistas, embora estes não sejam parte efetiva da política brasileira há algumas boas décadas, se pensarmos nos programas dos partidos à esquerda do espectro político. Dito isso, vale a pena considerar até que ponto existe sobreposição entre antipetismo e anticomunismo na cabeça dos brasileiros. Para tanto, testamos a associação das duas variáveis no gráfico 2, controlando por alguns elementos sociodemográficos como renda, idade, sexo, escolaridade, região e raça:

Em termos substantivos, o anticomunismo é o fator mais associado ao antipetismo dentre as variáveis consideradas. A rejeição aos comunistas aumenta em 30% a reprovação dos petistas. De resto, indivíduos com renda mais alta tendem a ter impressões negativas em relação aos partidários da legenda e, quando comparados aos mais jovens, eleitores com idade entre 45 e 64 anos costumam ser mais indiferentes ao grupamento.

Nem só de conteúdos programáticos vive o eleitorado. As imagens sedimentadas durante anos a fio podem reforçar estereótipos e guiar o comportamento político dos cidadãos. Vimos, portanto, que uma imagem criada no início do século passado segue viva nas percepções da maioria dos cidadãos brasileiros, influenciando os discursos políticos e a aprovação do partido mais (im)popular do Brasil. É muito provável, portanto, que estejamos no tubo de uma terceira grande onda anticomunista brasileira, associada ao antipetismo, iniciada nas eleições de 1989 e atingindo, nas eleições de 2018, seu cume.

*As perguntas originais do LAPOP contam com escalas de dez pontos. Dessas, selecionamos os pontos 8 a 10 e convertemos as variáveis em configurações binárias.

[1] Thiago Moreira da Silva é pós-doutorando em ciência política no Iesp-Uerj.
[2] Rodrigo Lentz é doutorando em ciência política na Universidade de Brasília.

O IESP nas Eleições publica às sextas-feiras análises sobre as Eleições Legislativas em uma parceria com o NEXO Jornal, tendo sido este texto publicado no dia 11/10: https://www.nexojornal.com.br/ensaio/2018/O-antipetismo-como-heran%C3%A7a-do-anticomunismo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *